Como escolher uma babá e um berçário?

Para muitas mulheres o término da licença-maternidade é visto como um momento de dolorosa separação, pois em breve terão que retornar ao trabalho. A expectativa de dividir os cuidados do filho com alguém e a escolha da melhor opção podem gerar angústias e incertezas.

É importante que os pais estudem de forma conjunta a melhor maneira de administrar essa situação como:

– Controlar a ansiedade conversando sobre o assunto com pessoas que já vivenciaram essa experiência;

– Socializar a criança mediante o convívio com outras pessoas, uma vez que esse contato pode minimizar os efeitos da separação.

Esta fase é essencial na vida do bebê. Portanto, trocas constantes de cuidados ocasionam insegurança na criança, prejudicando o estabelecimento de vínculos.

Assim, alguns passos são fundamentais:

A escolha da babá:

– Verifique pessoalmente as referências anteriores, principalmente o motivo da saída;

– Solicite atestado de antecedentes;

– Faça uma observação quanto à higiene pessoal e condições de saúde da profissional. Solicite inclusive a carteira de vacinação e exame médico;

– Verifique a escolaridade, se há no currículo cursos especializados e a maneira de se expressar. Os erros de linguagem podem ser prejudiciais, visto que as crianças aprendem por imitação;

– Após a contratação, acompanhe a profissional atentamente. Explique com detalhes as regras da casa, converse sobre os seus princípios de educação e o modo como deseja que seu filho seja cuidado;

– Realize contatos diários por telefone, para verificar se está tudo bem com o bebê. A relação entre os pais e a babá deve ser de respeito, cooperação e muita cumplicidade.

A escolha do berçário:

– Visite vários estabelecimentos diferentes;

– Confira as condições de higiene de todas as dependências do local;

– Caso seja fornecida a alimentação, verifique a organização da dieta do bebê, certifique-se sobre sua qualidade e maneira de preparo;

– Dê preferência aos estabelecimentos que ficam próximos ao seu trabalho;

– Verifique se a equipe profissional é adequada quanto ao número e à capacitação para cuidar de bebês.

Contudo, se resolver optar por um familiar, veja suas condições de saúde, energia e disponibilidade em assumir o compromisso, observando também sua habilidade e sensibilidade em aceitar orientações em relação ao trato do bebê.