Exercícios físicos na gestação: devo ou não praticá-los?

A gravidez é um dos mais belos períodos na vida de uma mulher e, por isso, deve ser vivenciada em toda sua plenitude, de forma positiva, incluindo também neste contexto a prática de atividades físicas, que geram inúmeros benefícios à mamãe e ao bebê.

É comum que muitas mulheres, quando descobrem que estão grávidas, passam a observar as modificações ocorridas em seu corpo negativamente, sentindo-se mais inchadas, feias e “gordas”, afetando diretamente sua autoestima. Assim, o exercício físico auxilia na redução de alguns sintomas, como o cansaço, dores lombares, câimbras e constipação. Além disso, diminui as complicações obstétricas, auxilia no controle do peso e na oscilação de humor, que também tende a minimizar proporcionando maior sensação de bem estar.

Para aquelas gestantes que nunca fizeram nenhum exercício, é preciso iniciar como calma.  O ideal é optar por atividades leves e de pouco impacto, como caminhadas, ioga, hidroginástica, entre outros.

Os exercícios aquáticos, principalmente a hidroginástica é recomendada para todas as gestantes, já que se trata de uma modalidade que mantém um ritmo adequado para as articulações, equilibrando a temperatura do corpo e do fluxo sanguíneo. O trabalho na água aumenta a resistência física da capacidade pulmonar, da massa muscular e da flexibilidade.

A ioga também é uma excelente alternativa, pois a prática regular de exercícios relacionados à postura, meditação e técnicas respiratórias asseguram a saúde do corpo e da mente, a unificação do crescimento físico, emocional e espiritual da mãe com o da criança em desenvolvimento.

A caminhada costuma ser o exercício mais indicado, uma vez que é muito benéfico à preparação para o parto, favorece o encaixe do bebê na bacia da mãe e melhora a capacidade cardiorrespiratória. É recomendado caminhar três vezes por semana, por cerca de 30 minutos por vez.

Entretanto, antes de iniciar qualquer tipo de atividade física, é muito importante que a gestante faça uma avaliação com seu médico para que seja orientada e autorizada para a prática de exercícios. Vale ressaltar que cada mulher tem um ritmo de vida, o que definirá quais atividades físicas poderão ou não ser realizadas, bem como a intensidade das mesmas.